Módulo 19

Revisado: 29/10/2003


tvp019a.jpg

  

 

Controle Criativo usando as Velocidades do Obturador

 

Além dos ajustes de foco, íris e balanço de cor nas camcorders, a maioria das câmeras de vídeo têm o ajuste de velocidade do obturador (NT:em inglês:Shutter Speed). Sabendo como usar a velocidade do obturador é mais um exemplo do controle criativo que pode separar os amadores dos profissionais ( e muitas vezes faz a diferença entre um bom vídeo e um vídeo ruim).

Ao contrário dos obturadores utilizados em câmeras fotográficas, o obturador utilizado na maioria das câmeras de vídeo com CCD não é mecânico. As velocidades do obturador da câmera de vídeo representam simplesmente o tempo permitido para que a carga gerada pela indução da luz se acumule eletronicamente no CCD.

Algumas câmeras de vídeo têm obturadores bastante velozes e permitem exposição de até 1/12.000 de segundo. Com esta velocidade praticamente qualquer movimento pode ser "congelado", sem borrões ou manchas -- carros de corrida, bolas de golfe ou discos de hockey. ( Para se ter uma idéia de como isso é rápido, divida um segundo em 12.000 partes e depois pense que a imagem será exposta em apenas uma fração desses 12.000 intervalos)..

Quando utilizamos as velocidades do obturador podemos ver as coisas de outra maneira. Por exemplo, utilizando equipamento especial e uma exposição de alta velocidade podemos mostrar uma bala atravessando a maçã. 

 

Velocidades de Obturador e Níveis de Luminosidade

Quando utilizamos a câmera de vídeo na velocidade "normal" do obturador, 1/60 de segundo (o tempo de varredura de um quadro de vídeo no padrão NTSC), a imagem é gerada no máximo de tempo possível, de acordo com a freqüência da formação de um campo de vídeo do sistema de TV. Isto representa a maior exposição possível dentro do processo de varredura normal .

Em condições de luminosidade muito baixa, especialmente onde pouca , ou nenhuma ação está envolvida, algumas câmeras de vídeo têm uma função que permite que a carga, gerada pela indução da luz, se acumule eletronicamente no CCD de forma a duplicar ou quadruplicar a freqüência normal da formação de campos e quadros de vídeo.

No entanto devemos considerar cuidadosamente as condições para a utilização desta técnica. O vídeo será mais claro, se não houver nenhuma ação, caso contrário a ação irá aparecer com um pronunciado efeito estroboscópio. Isto será discutido depois com mais detalhes .

À medida que os níveis de luminosidade aumentam (e especialmente se houver necessidade de "congelar" imagens action2.jpg), podemos utilizar velocidades mais rápidas do obturador.

A maioria das câmeras CCD profissionais tem velocidades de 1/60 (normal), 1/100, 1/250, 1/500, 1/1,000  e 1/2,000 de segundo. Algumas vão além disso, com 1/4,000, 1/8,000, 1/10,000 e , chegando até a 1/12,000 segundo.

As velocidades maiores (acima de 1/1000) posssibilitam reproduções em câmera lenta sem ruídos e imagens congeladas. É claro que, quando utilizamos velocidades altas de obturador, a exposição do CCD diminui -- e a íris da lente tem de ser aberta para compensar.

  

Velocidade do obturador e e F-Stops

C omo na fotografia tradicional, com as câmeras CCD existe   relação direta entre as velocidades do obturador e f-stops. A seguinte tabela ilustra isso.


Relação Padrão entre
Velocidade de obturador CCD e Exposição

 

Velocidade obturador :

"normal"

1/100

1/250

1/500

1/1,000

1/2,000

1/4,000

1/8,000

1/10,000

f-stop:
correspondente:

16

11

8

5.6

4.0

2.8

2.0

1.4

1.2

 

Você perceberá, através da tabela, que à medida que o tempo da velocidade do obturador é duplicado, a íris tem de ser aberta em um f-stop para manter o mesmo nível de exposição.

Dito de outra maneira, o aumento da velocidade do obturador diminui o tempo da exposição pela metade, abrindo a íris em um f-stop garantimos a entrada de mais luz através das lentes para compensar. As combinações mostradas (1/100th a f/11, 1/2000th a f/2.8, etc.) possibilitam manter a mesma exposição ou nível de vídeo.

Tenha em mente que as combinações mostradas na tabela acima se aplicam a uma cena "ideal" com uma quantidade específica de luminosidade -- cada cena é diferente e introduz uma série de novas possibilidades.

Os números de f-stop e de velocidade do obturador, a princípio parecem confusos, mas uma vez que você os memorize, eles lhe serão úteis em vídeo, fotografia e mesmo no trabalho com cinema.

É a mesma coisa, em qualquer lugar do mundo, e é assim por quase um século. (O que significa que se você resolver decorar os f-stops, eles não mudarão na próxima semana!)
 

Velocidade do Obturador e Efeito Estroboscópico

Um efeito estroboscópico (onde você vê uma rápida sequência de imagens distintas associadas em movimento)  ocorre em câmeras CCD quando se utiliza velocidades de obturador muito altas (acima de 1/250 por segundo) e muito baixas (abaixo de1/60 por  segundo).

Da mesma maneira como o tempo de exposição na fotografia, é possível, utilizar em algumas câmeras de vídeo, taxas de exposição abaixo de 1/60 segundo. Como já vimos, isto gera o efeito do acúmulo de luz no CCD abreviando o tempo normal de varredura, o que ocasiona a omissão de campos e quadros de vídeo em intervalos regulares.

Se não houver movimento a perda de quadros não aparecerá. Porém , com movimento, a perda de quadros resulta numa ação descontínua, um efeito estroboscópico. Como efeito especial o "strobe" é um pouco questionável, no entanto, existem ocasiões -- matérias jornalísticas e documentários com condições de pouca luminosidade -- onde um vídeo imperfeito é melhor que nenhum vídeo.

M udando para o outro extremo do ajuste da velocidade do obturador, quando utilizamos  velocidades maiores que 1/250 (1/500, 1/1000, 1/2000,etc)   as ações tendem a ser congeladas e aparecer como imagens fixas claras e definidas. Sem  o efeito meio borrado que ajuda a suavizar as transições entre os quadros sucessivos,  podemos observar um ligeiro efeito estroboscópico em cenas onde ação é rápida . 

Ainda assim, a utilização de velocidades mais altas do obturador produz imagens mais definidas, especialmente na reprodução de câmera lenta.

Para ver o efeito das várias velocidades do obturador com relação a "parar a ação", compare a seguinte seqüência de fotos. A primeira foi gravada com 1/30 de segundo, a segunda a 1/100 de segundo, a terceira a 1/500 de segundo e a foto final a 1/1000 de segundo.
 

E para finalizar, quando estiver gravando com iluminação fosforescente é recomendável manter a velocidade "normal" do obturador: 1/60. A utilização de uma velocidade mais alta geralmente produz batimento na imagem já que o intervalo de exposição do CCD da câmera interage com o piscar das luzes fosforescentes..  

 

 

 


Voltar ao Índice               Próximo módulo


Search For Terms     

Bibliography / Additional Readings                      To TV Production Index

                  

© 1996 - 2002, Ron Whittaker
Tradução Graça Barreiros